David Mourão-Ferreira

Por Teresa Martins Marques

Escritor português (Lisboa, 24.2.1927 – Lisboa, 16.6.1996): poeta, ficcionista, tradutor, dramaturgo, ensaísta, cronista, crítico literário, conferencista, professor. Licenciou-se em Filologia Românica (1951) com a tese «Três Coordenadas na Poesia de Sá de Miranda», pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Integrou os corpos redatoriais das revistas Seara Nova e Graal (1956-1957). Teve a seu cargo a rubrica de crítica de poesia no Diário Popular (1954-1957). A partir desse ano exerceu funções docentes na Faculdade de Letras como assistente, tendo desenvolvido um excecional trabalho de organização e regência da recém-criada cadeira de Teoria da Literatura, onde desenvolve estudos pioneiros, entre nós, sobre o new criticism. Em 1963 o seu contrato foi rescindido, vindo a ser novamente reconduzido a partir de 1970, lecionando Literatura Portuguesa e Francesa, tendo-lhe sido concedido, nos últimos anos de vida, o estatuto de Professor Catedrático Convidado. O seu magistério marcou sucessivas gerações de estudantes, muitos dos quais se contam hoje entre as mais prestigiadas figuras da universidade portuguesa e do ensaísmo literário.

Desempenhou as funções de Secretário Geral da Sociedade Portuguesa de Autores (1965-1974), dirigiu o diário A Capital (1974-1975). Exerceu em três governos o cargo de Secretário de Estado da Cultura (1976-1979), foi vice-presidente da Association Internationale des Critiques Littéraires (1984-1992), presidente da Associação Portuguesa de Escritores (1984-1986) e do Pen Club Português (1991). Foi diretor do Serviço de Bibliotecas Itinerantes e Fixas da Fundação Calouste Gulbenkian (1981-1996), bem como da revista Colóquio-Letras (1984-1996) propriedade da mesma instituição. Sócio efetivo da Academia das Ciências de Lisboa (onde sucedeu a Vitorino Nemésio na cadeira nº 23). Sócio-Correspondente da Academia Brasileira de Letras. Membro titular da Académie Européenne de Paris, viria também a ser agraciado com as mais prestigiosas condecorações de Portugal, do Brasil e da França. O nome de David Mourão-Ferreira ficaria também ligado ao de Amália Rodrigues que interpretou cerca de duas dezenas dos seus poemas.

Como autor, D.M-F. publica os seus primeiros artigos em 1942, no jornal Gente Moça, orgão dos estudantes do Colégio Moderno. As primeiras poesias viriam à luz nas prestigiadas páginas da Seara Nova, em 1945. Todavia, é pelo teatro que o seu nome começa a aparecer com alguma regularidade nos jornais tendo colaborado como autor e ator entre 1948 e 1951, sob a direção de Gino Saviotti, no Teatro-Estúdio do Salitre, o qual constituiu, sob a bandeira do “essencialismo,” o mais inovador movimento de Teatro Experimental dos Anos Quarenta, vendo aí encenados o poema dramático Isolda e a comédia Contrabando, respetivamente em 1948 e 1950. Ainda neste ano funda, com António Manuel Couto Viana e Luís de Macedo, as folhas de poesia Távola Redonda, em cujas edições daria à estampa o seu primeiro livro de poesia – A Secreta Viagem.

D.M.-F. foi um dos mais fecundos teorizadores da Távola Redonda defendendo o equilíbrio, a coerência e a proporção entre os motivos e a técnica, entre os temas e as formas, procurando conciliar os valores da tradição e da modernidade, revalorizando o lirismo, recusando a imediatez da inspiração e o aproveitamento da poesia para fins utilitaristas, demarcando-se do neorrealismo. Este ideário ver-se-ia plasmado na sua futura Obra, a qual, do ponto de vista técnico, representa a feliz aliança da força criadora e da construção rigorosa, sendo geralmente considerado como detentor da melhor oficina poética da sua geração.

Até à publicação de Um Amor Feliz, em 1986, D.M.-F. insistia em dizer que tinha consciência de que a sua Obra não teria um vasto público, mas que, em contrapartida, possuía leitores fiéis. Este romance viria indiscutivelmente aumentar-lhe o número desses leitores, continuando a ser objeto de sucessivas reedições. No dia seguinte à conclusão do romance, escreve: “Um Amor Feliz: um cântico de amor e de paixão erótica; uma sátira política a certa nova sociedade portuguesa; um romance do romance em que se vêem acareados o narrador e o autor; um ajuste de contas comigo mesmo.” Se pensarmos que desde os dezoito anos deixara de lado sucessivos romances inconclusos, entenderemos que contas seriam aquelas, que assim ajustou. Artur Ramos realizou a partir deste romance uma série televisiva de quatro episódios, apresentada pela RTP em 1990. Anteriormente, de duas das quatro narrativas de Gaivotas em Terra tinham sido extraídas duas longas metragens: Fado Corrido (1964) por Jorge Brum do Canto e Sem Sombra de Pecado (1983) por José Fonseca e Costa.

Atentando nas sucessivas reedições da sua poesia, verificaremos que os volumes constituem organismos vivos, coerentes, nos quais os diversos textos se inter-respondem, contando “histórias” diferentes, consoante as seriações que o autor lhes conferiu, em diversas edições, nomeadamente nas recolhas poéticas, obedecendo a criteriosas reordenações poemáticas em círculos (Lira de Bolso, As Lições do Fogo), ou em ciclos (Sonetos do Cativo), jogando com a simbologia dos números quatro, sete e nove, de clara reminiscência pitagórica, cabalística ou dantesca. O ritmo, a musicalidade, a mestria das rimas assonantes, o superior domínio da metáfora e da aliteração, coadjuvadas pela antítese, ou mesmo pelo paradoxismo conferem uma personalidade singular à poesia davidiana, de perfeito recorte clássico, obedecendo, todavia, a princípios sui generis nomeadamente ao nível da metrificação, fazendo de D.M.-F. porventura, o mais clássico dos nossos poetas modernos.

A obra davidiana edifica-se sobre um complexo sistema de vasos comunicantes, orquestrados pela memória interna da obra, em contraponto de harmonizações sinfónicas ou diafónicas. Com efeito, os elementos itinerantes constituem um dos aspetos mais interessantes da implícita ou explícita rede comunicante, como é, nomeadamente, o caso das obras poética e ficcional Os Quatro Cantos do Tempo e As Quatro Estações, ou do poema intitulado «Romance das Mulheres de Lisboa no Regresso das Praias», cujo primeiro verso — “Em terra, tantas gaivotas!” — inverte e subverte o título do seu primeiro volume de ficção narrativa, considerado como de novelas, mas que resultou de um trabalho de reconstrução de um anterior romance, razão por que certas personagens transitam de umas narrativas para as outras, em completa subversão da linearidade temporal do primitivo texto.

O onirismo d’ Os Amantes e Outros Contos encontra-se inscrito em embrião n’ A Recordação de Panflakaio : “Sonho que sonho o que sonho” é um verso da poesia “Argumento”, inserta em Os Ramos Os Remos, a qual traduz precisamente a situação onírica que sustenta a arquitetura do conto Os Amantes. Conquanto seja o erotismo o filão mais reconhecido na Obra de D.M.-F., esta está longe de se reduzir àquela temática. Outras linhas se entrecruzam na memória, na meditação sobre a morte, no culto dos lugares, não apenas como sagradas relíquias do tempo, mas ainda como espaços de reflexão do sujeito, em processo de perda.

Parafraseando um conhecido poema, de Matura Idade — “E por Vezes”—(justamente selecionado como símbolo davidiano para a antologia Rosa do Mundo-2001 Poemas para o Futuro), a angústia torna-se obsidiante imagem de fundo, que traz para o primeiro plano um sujeito que se vê através do olhar feminino e que, por vezes, se encontra e que, por vezes, se perde. Tântalo que não sacia a sede — destino que um deus lhe segredou. Fulguração do instante, revolta pelo fogo que se extingue, que não dura, mas que resiste, sendo apenas o que resta do desejo de eternidade. Na poesia davidiana o sujeito não ama porque existe, mas para que exista. E existe para sentir, por vezes, o prazer de se dissolver e ciclicamente renascer. As formas de diluição no mar – água primordial, por vezes metáfora da mãe e memória do tempo antes do tempo, ou as formas de diluição em terra — evasão, viagem, mudança — serão ainda uma outra forma de perdição e renascimento de quem se procura procurando, por vezes ganhando e, por vezes, perdendo ao jogo da vida. Condição trágica de quem ironicamente fica preso à busca da liberdade, como um Ícaro condenado aos trabalhos de Sísifo: ”há-de tudo prender-se aereamente solto”, lemos na “Ars Poetica”, inserta em Do Tempo ao Coração. Os Ramos Os Remos inscrevem, a partir do título, a fixidez e a flutuação. Ramos da árvore que prende, remos do barco que deriva.

De uma outra forma, mais direta, de acordo com o registo escolhido, o sujeito assumirá a condição de errância na autobiografia fragmentária acoplada a um livro de aforismos sobre a sedução que muito oportunamente intitulou Jogo de Espelhos: “Sente-se, desde sempre, mais estável no movente que no fixo”. (fragmento II). D.M.-F deixa em “Testamento” a fuidez do verbo, a instabilidade do sentido, o calor da lava e o frio da cinza. O nada transmutado em tudo, o nada retomando a cor do infinito na «Ladainha dos Póstumos Natais».

Como ensaísta, cronista e crítico literário, deixou-nos ainda dezassete clarividentes volumes, entre os quais o intitulado Discurso Directo que David classificava como um indireto autorretrato e por isso considerava o mais indicado para quem quisesse principiar a conhecê-lo, para além da obra de divulgação e tradução intitulada Imagens da Poesia Europeia, elaborada a partir de um programa homónimo que, como outros de sua autoria, intitulados Miradouro, Momento Literário, Música e Poesia, Hospital das Letras, lhe grangearam grande popularidade na Rádio e na Televisão. As recém publicadas Vozes da Poesia Europeia I, II, III, compilam a maior parte do seu trabalho como excecional tradutor, sendo que cada texto traduzido se metamorfoseia de forma original num autêntico poema de D. M. –F.

A comunidade literária soube reconhecer o seu valor atribuindo-lhe onze prémios literários: três de Poesia, dois de Conto e Novela, quatro de Romance, um de Teatro e ainda um outro de Ensaio. As obras de D.M.-F. encontram-se traduzidas nas principais Línguas Europeias.

Bibliografia de D.M.-F:

  • Rumos (antologia de contos e poemas, em co-autoria), Lisboa, Edição dos Autores (1946);
  • A Secreta Viagem, Lisboa, Edições Távola Redonda (1950); Tempestade de Verão, Lisboa, Guimarães Editores (1954);
  • Os Quatro Cantos do Tempo, Rio de Janeiro, Livros de Portugal (1958);
  • Infinito Pessoal, Lisboa, Guimarães Editores (1962);
  • In Memoriam Memoriae, Lisboa, Edições Minotauro (1962);Do Tempo ao Coração, Lisboa, Guimarães Editores (1966);
  • A Arte de Amar (antologia) Lisboa, Guimarães Editores (1967); Lira de Bolso (antologia) Lisboa, Edições Dom Quixote (1969); Cancioneiro de Natal, Lisboa, Editorial Verbo (1971);
  • Matura Idade, Lisboa, Editora Arcádia (1973);
  • Sonetos do Cativo (antologia) Lisboa, Editora Arcádia (1974);
  • As Lições do Fogo (antologia) Lisboa, Publicações Dom Quixote (1976);
  • Entre a Sombra e o Corpo, Lisboa, Moraes Editores (1980);
  • Ode à Música, Imprensa Nacional - Casa da Moeda (1980);
  • Obra Poética (antologia -2vols) Lisboa, Livraria Bertrand (1980); Órfico Ofício, in 2º vol. da antologia Obra Poética — Lisboa, Livraria Bertrand (1980);
  • À Guitarra e à Viola, in 1º vol. da antologia Obra Poética, Lisboa, Livraria Bertrand (1980);
  • Antologia Poética, Lisboa, Publicações Dom Quixote (1983);
  • Os Ramos Os Remos, Porto, Areal Editores (1985);
  • O Corpo Iluminado, Lisboa, Editorial Presença (1987);
  • As Pedras Contadas (antologia) Porto, Árvore, colecção Moinho de Vento (1987);
  • Obra Poética 1948-1988, Lisboa (1988);
  • No Veio do Cristal in Obra Poética 1948-1988 — Lisboa (1988); Lisboa Luzes e Sombras, Edição do Metropolitano de Lisboa (1992);
  • A Arte de Amar (antologia) Lisboa, Círculo de Leitores (1992);
  • Música de Cama (antologia) Lisboa, Editorial Presença (1994); Rime Petrose, in Colóquio-Letras, nºs 135/136, Lisboa, Janeiro-Junho (1995).

Conto e Novela

  • Gaivotas em Terra, Lisboa, Editora Ulisseia (s/d) [1959];
  • Os Amantes, Lisboa, Guimarães Editores (1968);
  • Os Amantes e Outros Contos, Lisboa, Livraria Bertrand (1974); Maria Antónia e Outras Mulheres (antologia de contos escolhidos) Lisboa, Círculo de Leitores (1978);
  • As Quatro Estações, Lisboa, Galeria São Mamede (1980);
  • Duas Histórias de Lisboa, Lisboa, Editorial Labirinto (1987); Maria da Luz e Outras Esfinges, (antologia) Lisboa, Círculo de Leitores (1992);
  • A Recordação de Panflakaio (conto) Publicação póstuma e intr. de TMM in Infinito Pessoal –Colóquio-Letras n° 145/146, Julho-Dezembro de 1997.


Romance

  • Um Amor Feliz, Lisboa, Editorial Presença (1986)

Teatro

  • Contrabando, in Graal, nº2, Junho-Julho (1956);
  • O Irmão, Lisboa, Guimarães Editores (1965).

Ensaio, Crítica, Crónica

  • Vinte Poetas Contemporâneos, Lisboa, Ática (1960);
  • Aspectos da Obra de Manuel Teixeira-Gomes, Lisboa, Portugália Ed. (1961);
  • Motim Literário, Lisboa, Editorial Verbo (1962);
  • Hospital das Letras, Lisboa, Guimarães Editores (1966);
  • Discurso Directo, Lisboa, Guimarães Editores (1969);
  • Tópicos de Crítica e de História Literária, Lisboa, União Gráfica (1969);
  • Sobre Viventes, Lisboa, Dom Quixote (1976;
  • Presença da «Presença» Porto, Brasília Ed. (1977);
  • Lâmpadas no Escuro, Lisboa, Ed. Arcádia (1979);
  • O Essencial Sobre Vitorino Nemésio, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda (1987);
  • Nos Passos de Pessoa, Lisboa, Editorial Presença (1988); Marguerite Yourcenar: Retrato de Uma Voz, Lisboa, Edições Rolim (1988);
  • Os Ócios do Ofício, Lisboa, Guimarães Editores (1989);
  • Sob o Mesmo Tecto, Lisboa, Editorial Presença (1989);
  • Tópicos Recuperados, Lisboa, Editorial Caminho (1992);
  • Terraço Aberto (antologia) Lisboa, Círculo de Leitores (1992); Elogio Académico de Vitorino Nemésio, Academia das Ciências de Lisboa (1992);
  • Evocação de Sebastião da Gama, Lisboa, Edições Ática (s/d)[1993];
  • Magia Palavra Corpo Lisboa, Edições Cotovia (1993);
  • Em Movimento, Edição do Metropolitano de Lisboa (1995).

Divulgação e Tradução de Poesia

  • Imagens da Poesia Europeia — Vol. I (Grécia, Roma, Os Séculos Obscuros)- Lisboa, Realizações Artis (1972);
  • Vozes da Poesia Europeia I (Colóquio-Letras, nº163- Janeiro-Abril de 2003);
  • Vozes da Poesia Europeia II (Colóquio-Letras, nº164- Maio-Agosto de 2003); Vozes da Poesia Europeia III (Colóquio-Letras, nº165-Setembro- Dezembro de 2003).

Vária

  • Jogo de Espelhos – Reflexos para um Auto-Retrato, Lisboa, Editorial Presença (1993).

Bibliografia Seletiva sobre a Obra de David Mourão-Ferreira:

  • A.A.V.V. Infinito Pessoal - Homenagem a David Mourão-Ferreira. Colóquio- Letras. N° 145/146, Julho-Dezembro 1997;
  • A.A.VV. Letras, Sinais. Edições Cosmos, 1999.
  • BOLETIM DO SERVIÇO DE BIBLIOTECAS E APOIO À LEITURA. David Mourão-Ferreira. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Dezembro 1996.
  • BRITO, Marília Regina da Silva, O Amor em David Mourão-Ferreira: Da Vida à Poesia. Porto, Edições Universidade Fernando Pessoa, 2002.
  • COELHO, Eduardo Prado. «David Mourão-Ferreira: Mar, Palavra e Memória/ Leitura de Os Amantes/ Escreviver», in O Reino Flutuante, Edições 70, Lisboa, s.d. [1972], 263-289.
  • GARCIA, José Martins. David Mourão-Ferreira - a Obra e o Homem. Lisboa Editora Arcádia, 1980.
    • David Mourão-Ferreira – Narrador. Lisboa, Vega, s.d. [1988].
  • GASTÃO, Ana Marques. «Um Outro David».Diário de Notícias (16 de Junho de 2003), 40.
  • LEPECKI, Maria Lúcia «Uma das Vozes Cimeiras da Lírica Portuguesa», Diário de Notícias ( 4/6/89).
    • «Uma Perfeita Harmonia na Disciplina da Escrita», Diário de Notícias (11/6/89).
  • LIMA, Isabel Pires de. «Desafiando Pedras—O Poeta e o Pintor. Colóquio-Letras. Nº101.Janeiro-Fevereiro de 1988.
  • LISBOA, Eugénio. «Uma Claridade de Sombras e de Luzes: A Obra Poética de David Mourão-Ferreira» in As Vinte e Cinco Notas do Texto, Lisboa, INCM, 1987.
  • MALHEIRO, Helena. L'Art de la Nouvelle dans «Os Amantes» de David Mourão-Ferreíra Arquivos do Centro Cultural Português. Paris, Fundação Calouste Gulbenkian, 1980.
  • MARQUES, Teresa Martins. «David Mourão-Ferreira – Microleituras da Reescrita Poética», Colóquio-Letras. Nº 140/141 Abril / Setembro 1996, 253 – 258.
    • « O Primeiro Projecto de Romance de David Mourão-Ferreira: Há Dezenas de caminhos…” (introdução e notas) in Mealibra, nº 14, Verão de 2004. pp.9-13.
  • MARTINHO, Fernando J.B. Tendências Dominantes da Poesia Portuguesa da Década de 50. Lisboa, Edições Colibri, 1996.
  • MORÃO, Paula. «David Mourão-Ferreira - O desenho do tempo»; David Mourão-Ferreira - Um Natal- no tempo com o coração»; «Sob o mesmo Tecto» in Viagens na Terra das Palavras. Lisboa, Edições Cosmos, 1993.
  • MOURA, Vasco Graça. David Mourão-Ferreira ou a Mestria de Eros. Porto, Brasília Editora, 1978.
  • REIS, Carlos. «Poesia e Poética», JL (5/6/96), 7.
  • RODRIGUES, Urbano Tavares, «A Novelística Portuguesa e David Mourão-Ferreira» (Diário de Lisboa, 28/3/1957).
  • SEIXO, Maria Alzira. «Uma Poética dos Sentidos» JL, (24/11/86).
Tópicos neste artigo:
Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.