Lindley Cintra

Por Ivo Castro

Luís Filipe Lindley Cintra é uma das figuras principais da Linguística portuguesa. Toda a sua atividade científica foi desenvolvida na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde se licenciou e doutorou em Filologia Românica (respetivamente em 1946 e 1952) e onde exerceu toda a sua atividade docente, de assistente (1950-1960) a professor extraordinário (1960-1962) e catedrático (de 1962 até à morte).

Foi diretor das revistas Boletim de Filologia e Revista Lusitana (nova série), pertenceu a diversas sociedades científicas (Academia Espanhola de História, Academia de Buenas Letras de Barcelona, Academia Portuguesa de História e Academia das Ciências de Lisboa) e organizou em Lisboa reuniões científicas de grandes dimensões: III Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros (1957), IX Congresso Internacional de Filologia e Linguística Românicas (1959) e Congresso sobre a Situação Actual da Língua Portuguesa no Mundo (1983).

Criador do Departamento de Linguística Geral e Românica da FLUL e reformador do Centro de Estudos Filológicos (a partir de 1975 designado Centro de Linguística da Universidade de Lisboa), teve um papel determinante na orientação das carreiras de numerosos investigadores e docentes, que se afirmaram num vasto espaço de disciplinas humanísticas. Ele próprio, como investigador, distinguiu-se principalmente nas áreas da literatura medieval, da linguística românica, da dialetologia e da geografia atual da língua portuguesa - vasta gama de interesses que ajudam a perceber o percurso de um linguista de formação tradicional que não deixou de estar atento à evolução da ciência e da sociedade.

Começou pelo estudo da literatura, numa altura em que ela abarcava ainda, em Portugal, o estudo da língua, merecedora de atenção científica apenas enquanto língua de escritores ou repositório de arcaísmos e regionalismos. Dedicou, assim, a tese de licenciatura à versificação de António Nobre e a tese de doutoramento ao que se supunha ser a versão portuguesa da Crónica Geral de Espanha de Afonso X, o Sábio, e que, como demonstrou, era uma crónica originariamente portuguesa, atribuída ao Conde D. Pedro de Barcelos e ocupando um lugar importante no quadro da historiografia peninsular. Em ambas as dissertações, Cintra partiu de temas puramente literários para, desviando-se de abordagens eruditas, estilísticas ou interpretativas, como talvez fosse de esperar, se deixar atrair pelos fenómenos de natureza mais claramente linguística, daí resultando um ensaio sobre ritmo, métrica e sonoridades, no caso de Nobre, e um manual prático de crítica textual e de linguística medieval, no caso da Crónica Geral.

Adivinhavam-se assim as direções que viria a tomar o seu trabalho futuro, confirmadas pela terceira tese, A linguagem dos Foros de Castelo Rodrigo (1959), dedicada a um grupo de textos de direito local do séc. XIII, produzidos na região leoneso-portuguesa de Ribacoa e cheios de interesse para a reconstituição dos movimentos linguísticos desencadeados pela Reconquista numa região do país que ainda hoje reserva seus segredos.

E perfilava-se uma das principais características da sua atividade intelectual e científica: dava pouca importância à teoria e preferia-lhe a análise dos dados, que manejava com absoluto domínio da técnica e uma perspicácia inultrapassável, nisso seguindo o seu grande modelo, Ramón Menéndez Pidal, com quem trabalhara para o doutoramento. Foi assim que a sua obra, construída a partir da natureza e das necessidades dos problemas e passando ao largo das metodologias de moda, desprezando-as mesmo um pouco, adquiriu uma solidez e uma perenidade granítica que se casam bem com documentos medievais e com dialetos de montanha.

Se Cintra descobriu a linguística histórica ao estudar a Crónica Geral com Menéndez Pidal, é também ao grande filólogo madrileno que deve o segundo choque formador da sua carreira, ao ser integrado nas equipas de linguistas que recolheram os materiais para o Atlas Linguístico da Península Ibérica. Para tal, o urbano Cintra teve de percorrer extensamente as províncias de Portugal em 1953 e 1954 e assim "conheceu o povo". De imediato, abriram-se-lhe novas janelas de interesse: a dialetologia e a etnografia, disciplinas que desde Leite de Vasconcellos andavam pouco praticadas em Lisboa. Mas não só: como ele próprio confessava, a forte experiência humana de abandonar o gabinete e de descobrir como vivia o povo despertou nele a consciência dos problemas sociais e políticos. Dez anos mais tarde, o protagonismo que teve nas lutas estudantis e a coragem física que demonstrou em episódios que hoje são históricos tornaram-no conhecido fora da Universidade e atribuiram-lhe um papel modelar que influenciou, entre outras, a geração que hoje ocupa o poder.

Enquanto linguista, não produziu as sínteses do seu vasto saber. Mas talvez seja possível depreender, dos seus escritos, dois grandes campos de investigação pessoal:

as origens da língua portuguesa, campo em que se concentram os seus trabalhos sobre a Reconquista e o repovoamento do território peninsular, a história dos dialetos galegos e portugueses, a produção documental latina e portuguesa dos primeiros séculos nacionais, o aparecimento da literatura escrita em português e a literatura oral, manifestada mais tarde no romanceiro;

o espaço da língua portuguesa, definido historicamente como sendo constituído por toda a faixa ocidental da Península Ibérica (incluindo, portanto, o galego, cujos dialetos não hesitava em considerar como pertencendo ao mesmo sistema que o português, ainda que apoiasse, para o presente, a autonomia da norma linguística galega) e pelas ilhas atlânticas, pelo Brasil e os países africanos e asiáticos onde se fala o português e os crioulos de base portuguesa. Ou seja, um espaço geográfico definido como produto da expansão extraeuropeia da língua nascida do latim vulgar do Noroeste peninsular. Esta definição conduzia, naturalmente, à valorização dos aspetos unitários: sobre a variedade inevitável de uma língua transcontinental, Cintra fazia pairar uma unidade fundamental que não excluía o galego, nem os crioulos. E muito menos o português do Brasil, como o demonstraram, na fase final da vida, a sua defesa de uma ortografia comum e a colaboração com Celso Cunha para escreverem a Nova Gramática do Português Contemporâneo (1984), uma gramática escrita para servir de normativa, simultaneamente, à língua usada por portugueses, brasileiros e africanos.

Bibliografia de Luís F. Lindley Cintra

(5. III. 1925 – 18. VIII. 1991)

  • O Ritmo na Poesia de António Nobre. Dissertação de Licenciatura em Filologia Românica, Faculdade de Letras de Lisboa, 1946, 116 págs, (Inédito).
  • "A linguagem figurada nas Canções de Camões", in: Revista de Portugal (Lisboa), série A, Língua Portuguesa, X, nº 48, 1946, págs. 95-112.
  • "Sobre o Sumário de Crónicas até ao ano de 1368 da Biblioteca Real de Madrid", in: Boletim de Filologia (Lisboa), IX, 1948, págs. 299-320.
  • Recensão crítica a: Oscar Bloch e W. von Wartburg, Dictionnaire Etymologique de la Langue Françaice, in: Boletim de Filologia (Lisboa), IX, 1948, págs. 375-377.
  • "O Liber Regum e outras fontes do Livro das Linhagens do Conde D. Pedro, in: Miscelânea de Filologia, Literatura e História Cultural à Memória de Francisco Adolfo Coelho, II (Boletim de Filologia, XI), Lisboa, Centro de Estudos Filológicos, 1950, págs. 224-251.
  • "Última tradução galego-portuguesa desconhecida do Liber Regum", in: Bulletin Hispanique (Bordeaux), LII, 1950, págs. 27-40.
  • Crónica Geral de Espanha de 1344. Edição crítica do texto português. Vol. 1. Introdução. Lisboa (Academia Portuguesa da História), 1951, DCIV págs. Reprodução facsimilada: Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1983.
  • "A lenda do Abade D. João de Montemor conhecida em Portugal, no século XV?", in: Revista da Faculdade de Letras (Lisboa), XVII, 2ª série, nº 1, 1951, págs. 109-111.
  • Recensão crítica a: A. Magalhães Basto, A tese de Damião de Gois em favor de Fernão Lopes. A posição da "Crónica de Cinco Reis" em face dessa tese, in: Revista da Faculdade de Letras (Lisboa), XVII, 2ª série, nº 1, 1951, págs. 252-263.
  • "Sobre uma tradução portuguesa da General Estoria de Afonso X", in: Boletim de Filologia (Lisboa), XII, 1951, págs. 184-191 (Sep. Lisboa 1951, 8 pág.).
  • Recensão crítica a: Estudios dedicados a Menéndez Pidal, tomo I, in:Boletim de Filologia (Lisboa), XII, 1951, págs. 194-199.
  • Recensão crítica a: Harri Meier, "Span. -port. cama, rum. pat Bett", in: Boletim de Filologia (Lisboa), XII, 1951, págs. 376-378.
  • Recensão crítica a: Os estudos de linguística românica na Europa e no América desde 1939 a 1948, (organizado por Manuel de Paiva Boléo), in: Boletim de Filologia (Lisboa), XIII, 1952, págs. 182-183.
  • "O Liber Regum fonte comum do Poema de Fernão Gonçalves e do Laberinto de Juan de Mena", in: Boletim de Filologia (Lisboa), XIII, 1952, págs. 289-315.
  • Recensão crítica a: Angelo Monteverdi, Manuale di avviamento agli studi romanzi. Le lingue romanze, in: Boletim de Filologia, (Lisboa), XIV, 1953, págs. 168-172.
  • Crónica Geral de Espanha de 1344. Edição crítica do texto português. Vol. II. Texto. Lisboa (Academia Portuguesa da História), 1954, 488 págs. Reprodução facsimilada: Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1984.
  • "Enquêtes au Portugal pour l'Atlas Linguistique de la Péninsule Ibérique", ín: Orbis (Louvain), III, 1954, págs. 417-418. Reeditado em Estudos de Dialectologia Portuguesa. Lisboa, Sá da Costa Editora, 1983, págs. 17-20.
  • "D. Pedro, conde de Barcelos, Gomes Lourenço de Beja e a autoria da Crónica Geral de Espanha de 1344", in: Boletim de Filologia (Lisboa), XVI, 1956, págs. 137-139 (Sep. Lisboa 1956, 3 págs.).
  • "Bibliografia de Wilhehn Giese" in: Boletim de Filologia (Lisboa), XVI, 1956, págs. 91-124 (Sep. Lisboa 1956, 34 págs.).
  • "Sobre a formação e evolução da lenda de Ourique (até à Crónica de 1419)', in: Miscelânea de Estudos em Honra do Prof. Hernâni Cidade (Revista da Faculdade de Letras, IIIª série, 1) . Lisboa, 1957, págs. 168-215.
  • "Prefácio" a: Sebastião da Gama, Serra Mãe (Poemas), 2ª ed.. Lisboa, Ática, 1957.
  • "Toponymie léonaise au Portugal: la région de Riba-Coa", in: Vème Congrès International de Toponymie et d'Anthroponymie (Salamanca, 12-15 avril 1955). Actes et Mémoire, I. Salamanca, 1958, págs. 245-257.
  • "Alguns casos de diferenciação lexical entre o português e o castelhano literários dos séculos XIV-XV", in: VIII Congresso Internazionale di Studi Romanzi (Firenze, 3-8 aprile 1956). Atti, II. Comunicazioni. Parte Prima. Firenze, 1958, págs. 127-140.
  • "Alguns estudos de fonética com base no Atlas Linguístico da Península Ibérica", in: Primeiro Congresso Brasileiro de Língua Falada no Teatro (S. Salvador da Baía, 5 a 12 de Setembro de 1956). Anais. Rio de Janeiro 1958, págs. 186-195. Reeditado sob o título "Os inquéritos realizados em Portugal para o Atlas Linguístico da Península Ibérica e seu interesse para a dialectologia brasileira", Estudos de Dialectologia Portuguesa. Lisboa, Sá da Costa Editora, 1983, págs. 21-34.
  • A Linguagem dos Foros de Castelo Rodrigo. Seu confronto com a dos Foros de Alfaiates, Castelo Bom, Castelo Melhor, Coria, Cáceres e Usagre. Contribuição para o estudo do leonês e do galego-português do século XIII. Lisboa, 1959 (Publicações do Centro de Estudos Filológicos, 9). CXIX + 595 págs. Reprodução facsimilada: Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1984.
  • Artigos: "Álvares (Fr. João)", "Caça (Tratados de)", "Crónica Breve do Arquivo Nacional", "Crónica da Conquista do Algarve", "Crónica de Portugal de 1419", "Crónica do Condestabre", "Crónica do Mouro Rasis", "Crónica Geral de Espanha de 1344", "Crónica Troiana", "Crónicas Breves de Santa Cruz", "Historiografia medieval", "D. João I", "Livro da Montaria", "Livros das Linhagens", "Lopes (Fernão)", "Portugaliae Monumenta Historica", "Zurara (Gomes Eanes de)", in: Dicionário das Literaturas Portuguesa, Galega e Brasileira. Direcção de Jacinto do Prado Coelho. Porto, Livraria Figueirinhas, 1960.
  • "D. Duarte", in Os Grandes Portugueses, (obra planeada e dirigida por Hernâni Cidade). Vol. I. Lisboa, Editorial Arcádia, 1960, págs. 139-154.
  • (Com Manuel de Paiva Boléo e José G. Herculano de Carvalho) "Projecto de um atlas linguístico-etnográfico de Portugal e da Galiza", in: III Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros (Lisboa, 1957). Actas , II. Lisboa, 1960, págs. 413-417 (Sep. Lisboa 1960, 5 págs.).
  • Crónica Geral de Espanha de 1344. Edição crítica do texto português. Vol. III. Texto. Lisboa (Academia Portuguesa da História), 1961, XXV + 454 págs. Reprodução facsimilada: Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1984.
  • "Une frontière lexicale et phonétique dans le domaine linguistique portugais", in: IX Congresso lnternational de Linguística Românica ( Lisboa, 31 de Março- 4 de Abril de 1959). Actas, III (Boletim de Filologia, XX, (1961), 1962). Lisboa, 1962, págs. 31-39 (Sep. Lisboa 1962, 9 págs.). Reeditado em Estudos de Dialectologia Portuguesa. Lisboa, Sá da Costa Editora, 1983, págs. 95-105.
  • (Com M. Sanchis Guarner, L. Rodríguez Castellano e A. Otero) "El Atlas Linguístico de la Península Ibérica (ALPI). Trabajos, problemas y métodos", in: IX Congresso Internacional de Linguística Românica (Lisboa, 31 de Março- 4 de Abril de 1959). Actas , III (Boletim de Filologia, XX, (1961), 1962). Lisboa, 1962, págs. 113-120 (Sep. Lisboa 1962, 7 págs.).
  • "Rapport du Secrétaire du Congrès, Dr. Luís F. Lindley Cintra", in: IX Congresso Internacional de Linguística Românica (Lisboa, 31 de Março- 4 de Abril de 1959). Actas, III (Boletim de Filologia, XX, (1961), 1962). Lisboa, 1962, págs. 215-221 (Sep. Lisboa 1962, 7 págs.).
  • "Chronique du Congrès", in: Actas do IX Congresso Internacional de Linguística Românica , III (Boletim de Filologia, XX (1961), 1962). Lisboa, 1962, págs. 257-265 (Sep. Lisboa 1962, 9 págs.).
  • "Áreas lexicais no território português", comunicação apresentada ao Primeiro Congresso de Dialectologia e Etnografia (Porto Alegre, 1958) , in: Boletim de Filologia (Lisboa), XX, (1961), 1962 , págs. 273-307 (Sep. Lisboa 1962, 35 págs.). Reeditado em Estudos de Dialectologia Portuguesa. Lisboa, Sá da Costa Editora, págs. 55-94.
  • "Sobre o interesse humano do estudo dos dialectos e falares regionais", in: Távola Redonda, 19, 1962. Reeditado em Estudos de Dialectologia Portuguesa. Lisboa, Sá da Costa Editora, 1983, págs. 9-15.
  • "Les anciens textes portugais non littéraires. Classement et bibliographie", in: Colloque sur les anciens textes non littéraires - Apport des anciens textes romans non littéraires à la connaissance de la langue du Moyen Âge (Strasbourg, fév. 1961). Revue de Linguistique Romane (Strasbourg), LXXVII, 1963, págs, 40-58.
  • "Observations sur l'orthographe et la langue de quelques textes non littéraires galiciens-portugais de la seconde moitié du XIIIe siècle", in: Colloque sur les anciens textes non littéraires - Apport des anciens textes romans non littéraires à la connaissance de la langue du Moyen Âge (Strasbourg, fév. 1961). Revue de Linguistique Romane (Strasbourg), LXXVII, 1963, págs. 59-77.
  • "Colaboración hispano-portuguesa en la investigación linguística", in: Presente y futuro de la lengua española. (Actas de la Asamblea de Filología del I Congreso de Instituciones Hispánicas). Vol. I. Madrid, Ediciones Cultura Hispánica, 1964, págs. 443-448.
  • "Nótula sobre os manuscritos das obras de Fernão Lopes", in: Colóquio – Revista de Artes e Letras (Lisboa), 29, 1964, págs. 49-50.
  • Crónica Geral de Espanha de 1344: A lenda do Rei Rodrigo. Introdução, notas e glossário. Lisboa, Verbo, 1964, 93 págs.
  • "Prefácio" a: Joana Lopes Alves, A Linguagem dos pescadores da Ericeira. Lisboa, Junta Distrital de Lisboa, 1965, págs. VII-IX.
  • "Sebastião da Gama: um depoimento", in: O Tempo e o Modo (Lisboa), 27, 1965, págs. 463-478.
  • "Actualidade de Gil Vicente" (debate gravado). in: O Tempo e o Modo (Lisboa), 23, 1965, págs. 1147-1181.
  • "Origens do sistema de formas de tratamento do português actual", in: Brotéria (Lisboa), LXXXIV, n.º 1, 1967, págs. 49-70. Reeditado com modificações em Sobre "Formas de Tratamento" na Língua Portuguesa. Lisboa, Livros Horizonte, 1972, págs. 7-42.
  • "A obra filológica do Prof. David Lopes", in: Revista da Faculdade de Letras (Lisboa), III série, 11, 1967, págs. 75-82.
  • "Introdução" a: Índices da Revista Lusitana. Lisboa, Centro de Estudos Filológicos, 1967, págs. VII-X.
  • "Notas à margem do 'Romanceiro' de Almeida Garrett", in: Boletim Internacional de Bibliografia Luso-Brasileira (Lisboa), VIII, n.º 1, 1967, págs. 105-135 (Sep. Lisboa 1968, 30 págs.).
  • "Rodrigues Lapa", in: Seara Nova (Lisboa), 1460, Junho de 1967, págs. 162-163. Reeditado in Homenagem a Manuel Rodrigues Lapa, vol. I (Boletim de Filologia, XXVIII). Lisboa, 1983, págs. VII-XV (Sep. Lisboa 1984, 9 págs.).
  • "A propósito do centenário de António Nobre - o decassílabo, o alexandrino e o verso livre no Só : ensaio sobre verificação e ritmo", in: Brotéria (Lisboa), LXXXVI, n.º 2, 1968, págs. 168-192.
  • "Nota prévia" a: Crónica Del Rei Dom Joham I de boa memória e dos Reis de Portugal o décimo. Parte Segunda escrita por Fernão Lopes e agora copiada fielmente dos melhores manuscritos por William J. Entwistle. Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da moeda, 1968, págs. VII-XI.
  • "Os ditongos decrescentes ou e ei : esquema de um estudo sincrónico e diacrónico", in: Primeiro Simpósio de Filologia Românica (Rio de Janeiro 1958). Anais. Rio de Janeiro 1970, págs. 115-134. Reeditado em Estudos de Dialectologia Portuguesa. Lisboa, Sá da Costa Editora, 1983, págs. 35-54.
  • "Nova proposta de classificação dos dialectos galego-portugueses", in: Boletim de Filologia (Lisboa), XXII, (l964-1971), 1971, págs. 81-116 + 2 mapas extrat.) (Sep. Lisboa, 1971, 38 págs. + 2 mapas extrat.). Reeditado em Estudos de Dialectologia Portuguesa. Lisboa, Sá da Costa Editora, 1983, págs. 117-163.
  • "Observations sur le ancien texte portugais non littéraire: la Notícia de Torto (Lecture critique, date et lieu de rédaction)", in: XII Congresso Internacional de Linguística e Filologia Românicas (Bucareste, 1968). Actele, II. Bucareste, 1971, págs. 161-174.
  • "Nota prévia" a: João de Barros, Gramática da Língua Portuguesa (Cartinha, Gramática, Diálogo em louvor da nossa linguagem e Diálogo da viciosa vergonha). Reprodução facsimilada, leitura, introdução e anotações por Maria Leonor Carvalhão Buescu. Lisboa, Publicações da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1971, págs. V-VII.
  • "Tu e Vós, como formas de tratamento de Deus, em orações e na poesia em língua portuguesa", in: Revista da Faculdade de Letras (Lisboa), IIIª série, 13, págs. 145-176. Reeditado em Sobre "Formas de Tratamento" na Língua Portuguesa. Lisboa, Livros Horizontes, 1972, págs. 75-122.
  • Sobre as "Formas de Tratamento" na Língua Portuguesa. Lisboa, Livros Horizonte, 1972, 139 págs., 21 edição, 1986.
  • "Introdução" a: Cancioneiro Português da Biblioteca Vaticana (Cód. 4803). Reprodução facsimilada . Lisboa, Centro de Estudos Filológicos - Instituto de Alta Cultura, 1973, págs. VII-XVIII.
  • "Prefácio" a: A. R. Gonçalves Viana, Estudos de Fonética Portuguesa. Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1973, págs. 7-10.
  • "Prefácio" a: Crónica Del Rei Dom Joham I de boa memoria e dos Reis de Portugal o décimo. Parte Primeira escrita por Fernão Lopes. Reprodução facsimilada... preparada por Anselmo Braancamp Freire. Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda (1972), 1973, págs. (7)-(17).
  • "Sobre o Códice Alcobacense 290 (antº 316) da Biblioteca Nacional de Lisboa (Autógrafo de Duarte Galvão?)", in: Boletim de Filologia (Lisboa), XXIII, 1974, págs. 255-275 (Sep. Lisboa 1974, 21 págs.).
  • "Prefácio" a: Questionário Linguístico, 3 vols.. Publicações do Atlas Linguístico-Etnográfico de Portugal e da Galiza, 2. Lisboa, Instituto de Linguística, 1974, 3 págs.
  • (Com Maria da Graça Temudo Barata) "Introdução" a: Bibliografia Dialectal Galego-Portuguesa. Publicações do Atlas Linguístico-Etnográfico, 3. Lisboa, CLUL, 1976, págs. IX-XII.
  • "Langue parlée et traditions écrites au moyen-âge (Péninsule Ibérique)", in: XIV Congresso Internazionale di Linguistica e Filologia Romanza (Napoli, 15 a 20 aprile, 1974). Atti, I. Napoli, 1978, págs. 463-477.
  • "Etat présent au Portugal des études sur la littérature potugaise", in: Convegno Letterature Straniere Neolatine e Ricerca Scientifica (Firenze, 18-10 maggio 1978). Sep. Roma 1980, págs. 231-251.
  • "Griséu: um moçarabismo algarvio", in: Homenagem a Manuel de Paiva Boléo ( Biblos, LVII), Coimbra , 1981, págs. 65-71.
  • "Palavras prévias" a: Revista Lusitana (Lisboa), Nova série, I, 1981, págs. V-VI.
  • "Apresentação" do: Cancioneiro da Biblioteca Nacional (Colocci-Brancuti), cód. 10991, I. Reprodução facsimilada. Lisboa, Biblioteca Nacional-Casa da Moeda, 1982, 3 págs.
  • "Présence et problemátique actuelle de la langue portugaise dans le monde", in: Arquivos do Centro Cultural Português (Lisboa-Paris), 19, 1983, págs. 207-223.
  • Estudos de Dialectologia Portuguesa. Lisboa, Sá da Costa Editora, 1983, 216 págs.
  • "Para a história da linguística na Faculdade de Letras de Lisboa" (entrevista), in: Revista da Faculdade de Letras (Lisboa), nº especial comemorativo do 50º aniversário, 1983, págs. 9-15.
  • "Situação actual da língua portuguesa no mundo", in: Palavras (Lisboa), 4/5/6, 1983, págs. 7-17.
  • "Carta a Jacinto do Prado Coelho", in: Afecto às letras. Homenagem da literatura portuguesa contemporânea a Jacinto do Prado Coelho. Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1984, págs. 356-364.
  • (Com Celso Cunha) Nova Gramática do Português Contemporâneo. Lisboa, Edições João Sá da Costa, 1984, XV + 734 págs.
  • (Com Celso Cunha) Breve Gramática do Português Contemporâneo. Lisboa, Edições João Sá da Costa, 1985, IX + 486 págs.
  • "Hernâni Cidade, mestre de humanidade e de humanismo", in: Colóquio - Letras (Lisboa), 83, 1985, págs. 71-74.
  • "Nota prévia", "Discurso de encerramento" e participação na Mesa redonda, in: Congresso sobre a situação actual da língua portuguesa (Lisboa, 1983). Actas, vol. I. Lisboa, ICALP, 1985, págs. 5-7, 61-66, 526-527.
  • "As origens do novo acordo", in: ICALP-Revista (Lisboa), 5, 1986, págs. 49-52.
  • Entrevista a: Penélope. Fazer e Desfazer História (Lisboa), 3, 1989, págs. 64-89.
  • Crónica Geral de Espanha de 1344. Edição crítica do texto português. Vol. IV. Texto e Nota final, Lisboa (Academia Portuguesa da História e Imprensa Nacional-Casa da Moeda). 1990, XXIX + 553 págs.
  • "Sobre o mais antigo texto não-literário português: A Notícia de Torto (leitura crítica, data, lugar de redacção e comentário linguístico", in: Boletim de Filologia (Lisboa), XXXI (l986-87), 1990, págs. 21-77.
  • Entrevista a: Opuscula Instituti Ibero-Americani Universitatis Helsingiensis (Hensínquia), II, 1990, págs. 5-16.
  • "Evocation (de Ruy Belo)", in: Arquivos do Centro Cultural Português (Lisboa-Paris), 1990, págs. 57-61 (Sep. Lisboa-Paris, 1990, 5 págs.).
  • "Os dialectos da Ilha de Madeira no quadro geral dos dialectos galego-portugueses". Comunicação apresentada ao Congresso de Cultura Madeirense (Funchal, 23-29 de Dezembro de 1990). (Inédito).
  • "Dois textos não-literários transmontanos do século XIII (leitura crítica e comentário linguístico)". (Inédito).


(Bibliografia elaborada pelo Centro de Linguística da Universidade de Lisboa - CLUL-INIC)

Tópicos neste artigo:
Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.