Manuel Antunes

Por Luís Machado de Abreu

Nascido na Sertã a 3 de novembro de 1918, e falecido em Lisboa a 18 de janeiro de 1985, Manuel Antunes ingressou na Companhia de Jesus em 1936. No Instituto Superior de Filosofia Beato Miguel de Carvalho, em Braga, licenciou-se em Filosofia no ano de 1943. Em 1950, obteve a licenciatura em Teologia na Faculdade de Teologia de Granada (Espanha).

Este jesuíta que, desde 1957, lecionou na Faculdade de Letras de Lisboa a cadeira de História da Cultura Clássica, frequentada com reconhecido proveito intelectual por milhares de alunos, foi também insigne escritor de ideias. A produção escrita foi aparecendo sobretudo na Brotéria, revista mensal de cultura, de que veio a ser diretor entre 1965 e 1982, com uma curta interrupção. Aqui deixou, mês após mês, artigos sobre assuntos que vão da filosofia à política, da teologia à educação, da estética à crítica literária, quer assinando com nome próprio quer ocultando-se sob vinte e seis pseudónimos conhecidos.

A variedade de temas e de áreas de saber que cultivou revela um observador igualmente atento ao pormenor e ao conjunto, empenhado não só em nunca desfocar o real, mas sobretudo juntando todos os fragmentos na procura infatigável de sentido, o sentido do Todo. E esta procura foi igualmente construção. Construção do homem e do mundo, seres inacabados, imperfeitos. Por isso, a cultura enquanto trabalho incessante de inscrição e aperfeiçoamento da humanidade no homem constitui o vínculo substancial de toda a obra de Manuel Antunes.

Manuel Antunes 2

O lugar da filosofia no conjunto dos escritos de Manuel Antunes só episodicamente foi preenchido com trabalhos de elaboração filosófica em contexto académico. O seu percurso docente votado quase por inteiro às matérias da cultura grega e romana não lhe proporcionou o enquadramento propício ao aprofundamento especializado das grandes interrogações metafísicas e ao aturado diálogo com os monumentos do pensamento filosófico que, no entanto, frequentou com exemplar assiduidade.

Ao escolher para tema da dissertação de licenciatura em Filosofia o estudo do “Panorama existencial de Kierkegaard a Heidegger”, deixou bem marcado o que seria o roteiro de diálogo com os Grandes Contemporâneos. Ao longo da vastíssima obra que nos legou, ficaram definidas com clareza quais as suas afinidades eletivas: os pensadores e criadores onde a espessura e vibração do humano se confrontam com o questionamento ontológico. Devem a esta luz ler-se as páginas de serena paixão que dedica a Pascal, Kierkegaard e Heidegger.

Mas se o seu pensar filosófico não se encontra em tratados nem em estudos de ruminante erudição e só avulsamente se entrega à exegese de textos de filósofos consagrados, não deixa por isso de existir e de permear os muitíssimos escritos em que se ocupa de crítica literária, cultura clássica, educação, experiência religiosa, reflexão política, questões de atualidade e outros. Exercita assim uma atitude crítica e pensante sobre as manifestações culturais em que se objetiva a sua perspicaz filosofia da cultura. Nunca chegou a dar-lhe elaboração sistemática, mas dela se ocupa, designadamente, a propósito dos “conceitos fundamentais” de história, cultura e civilização, mito, logos, mística, clássico, teoria dos conjuntos, conceitos com que abrem as lições de História da Cultura Clássica na Faculdade de Letras de Lisboa.

Atento às contribuições das ciências humanas e sociais, nelas assenta as incursões hermenêuticas com que atravessa e tenta dilucidar os meandros e complexidades do ser e agir humanos. Lê-se, nos seus textos, a inscrição de uma antropologia filosófica, inquieta e confiante, ciente dos extremos e ruturas que dilaceram e, não obstante, apostada na conciliação das diferenças e na dialética dos contrários. É uma dedicação ao conhecimento do homem que se destina a torná-lo cada vez mais humano e que, ao mesmo tempo, se cumpre como etapa do longo caminho que leva à completa epifania do ser.

A antropologia de Manuel Antunes insere-se num projeto maior, o de uma ontologia que persegue o Ser enquanto nele se revela verdade, bem, beleza e unidade. Por esta via, a meditação sobre a condição humana em permanente crise de responsabilidade e esperança, que lhe atravessa o discurso ensaístico é, afinal, o modo muito peculiar de ele refletir ontologicamente sobre o mundo como totalidade e destino.

Estamos em presença de um pensador da cultura intempestivo. No meio da apoteose do fragmentário e do disperso, ele segura a bandeira das grandes sínteses e promove o sentido da totalidade. E só a consegue verdadeiramente promover porque nunca vota ao desprezo o que poderia parecer marginal, débil, insignificante, heterodoxo. O Todo a que aspira é a restituição da plenitude de sentido através da germinação e do amadurecimento das sementes de verdade, onde quer que elas tenham caído.

BIBLIOGRAFIA

A obra de Manuel Antunes encontra-se dispersa. Há cerca de duas centenas e meia de entradas de sua autoria na Verbo – Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura, além de vasta colaboração em obras congéneres. De entre as muitas centenas de artigos e comentários publicados na Brotéria e noutras publicações periódicas, o Padre Manuel Antunes reuniu uma pequena parte nos livros seguintes:

  • Ao Encontro da Palavra. Lisboa, Morais, 1960.
  • Do Espírito e do Tempo. Lisboa, Ática, 1960.
  • Indicadores de Civilização. Lisboa, Verbo, 1972.
  • Grandes Derivas da História Contemporânea. Lisboa, Edições Brotéria, 1972.
  • Educação e Sociedade. Lisboa, Sampedro, 1973.
  • Grandes Contemporâneos. Lisboa, Verbo, 1973.
  • Repensar Portugal. Lisboa, Multinova, 1979.
  • Ocasionália. Homens e Ideias de Ontem e de Hoje. Lisboa, Multinova, 1980.
  • Legómena. Textos de Teoria e Crítica Literária. Organização e selecção de Maria Ivone de Ornelas de Andrade. Lisboa, Imprensa Nacional / Casa da Moeda, 1987.
  • Teoria da Cultura. Revisão e notas de Maria Ivone de Ornelas de Andrade. Lisboa, Colibri, 1999.

A Obra Completa de Manuel Antunes está a ser editada pela Fundação Calouste Gulbenkian. Os dois primeiros volumes - Filosofia da Cultura e Pedagogia e Educação – saíram em dezembro de 2005.

Tópicos neste artigo:
Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.