Maria Archer

Por Dina Botelho

Maria Emília Archer Eyrolles Baltasar Moreira, na cena literária Maria Archer, nasceu em Lisboa, no dia 4 de janeiro de 1899. Foi a primeira dos seis filhos do casal. Parece ter escrito versos, com frequência, durante a sua infância, mas deles nada resta. Começou, desde cedo, a viajar com os pais. (De 1910 a 1913 Ilha de Moçambique; 1914 Algés e, posteriormente, Sto Amaro; de 1916 a 1918 Guiné - Bolama e Bissau.).

Terá feito apenas a 4ª classe (terminada aos 16 anos, por iniciativa própria), pelo que podemos considerá-la uma autodidata. Em 1921, encontramo-la em Faro com a família e aí casa com Alberto Passos, natural de Vila Real, no dia 29 de agosto de 1921. Vão viver para o Ibo – Moçambique. Cinco anos depois regressam a Faro e de seguida vão para Vila Real. Trás-os-Montes é o último cenário de fundo do jovem casal. O casamento durou apenas dez anos. Vem para Lisboa mas os seus pais estavam, nessa altura, em Angola e para lá vai por volta de 1932.

Em Luanda, publica o seu primeiro livro - Três Mulheres (1935) - de parceria com Pinto Quartim Graça. Nesse ano regressa a Portugal. Vivia, então, do que escrevia para jornais e das suas obras, tendo mesmo algumas delas chegado à terceira edição. A sua obra tem também um pouco de autobiografia pois a sua experiência de vida é, por vezes, transposta para as suas personagens. O romance Aristocratas (1945) marca o seu afastamento da família que se vê retratada nas personagens do mesmo.

A sua vida foi nessa época particularmente difícil. Teve de lutar pela sua afirmação pessoal e profissional. Participa, então, em várias conferências, em Lisboa e no Porto, e faz várias entrevistas como jornalista (a Ester Leão e a Joaquim Manuel de Mãos, o “Pintor” por exemplo). A 5 de julho de 1955 parte para o Brasil, depois de a sua obra ter sido perseguida em 1938 e 39, e terem-lhe apreendido o livro Ida e Volta duma Caixa de Cigarros e, em 1947, Casa Sem Pão.

Acompanhou, de perto, o julgamento do contestador da ditadura salazarista, capitão Henrique Carlos Galvão no Tribunal Militar de Santa Clara. Tendo-se proposto escrever um livro sobre o mesmo, vira a sua casa invadida pela Polícia Internacional e de Defesa do Estado (PIDE) logo após o final do julgamento, em 1953. Viria a publicá-lo em 1959, no Brasil, sob o título Os Últimos Dias do Fascismo Português.

Maria Archer 2

No Brasil, viveu pobre e doente, mas ainda escreveu bastante para alguns jornais, nomeadamente para O Estado de S. Paulo, Semana Portuguesa e Portugal Democrático. Naquele país, terá publicado cinco livros dos quais se conhecem apenas quatro: Terras onde se Fala Português, África sem Luz, Brasil, Fronteira da África e Os Últimos Dias do Fascismo Português (1959). Em 1974 ainda corrigiu os discursos dos candidatos às eleições legislativas e escreveu a propaganda para a rádio local. Em 1977 foi internada em São Paulo, donde terá saído para regressar a Portugal (26 de abril de 1979).

Foi, então, internada na Mansão de Santa Maria de Marvila (Lisboa), lar onde permaneceu até à morte (23 de janeiro de 1982).

A obra de Maria Archer foi bastante diversificada. Tendo iniciado a sua obra literária nas colaborações em periódicos (Acção, Correio do Sul, Diário de Lisboa, Eva, Fradique, Humanidade, Ilustração, Ler, O Atlântico, O Mundo Português, Portugal Democrático, Seara Nova, Sol, Última Hora, O Estado de S. Paulo e Gazeta de São Paulo), o primeiro livro publicado foi uma novela.

Atrever-nos-íamos a distinguir três fases na escrita da autora, sem pretendermos estabelecer compartimentos estanques. Assim de 1935 a 1944 (publica o seu primeiro romance Ela É Apenas Mulher) temos a fase em que foi sobretudo novelista ou contista. De 1944 a 1955 (data em que parte para o Brasil), atinge o auge da sua produção literária, revelando-se uma ótima romancista, observadora e narradora dos problemas que atingem a mulher dessa época. A terceira fase é iniciada em 1956, com a publicação de vários artigos no Portugal Democrático e publicação do livro que resultou da assistência às sessões do julgamento de Henrique Galvão. Com ele inicia a sua afirmação política, que coincide com a colaboração nos jornais Portugal Democrático e na Semana Portuguesa, ambos de São Paulo. Esta divisão não pretende ser rígida até porque, ao longo das três fases, temos uma linha condutora que é a dos ensaios e estudos sobre África e os costumes do seu povo (13 livros). Escreveu trinta livros em 28 anos, três deles chegaram à terceira edição e cinco tiveram três, o que mostra bem a recetividade do público à sua obra. Muito contestada por uns e muito apreciada por outros, todos lhe reconhecem um valor inigualável na literatura feminina do início do séc. XX. Na narrativa saltita da novela para o romance e deste para o ensaio ou literatura de viagens, chegando mesmo a focar os descobrimentos portugueses. Escreveu, também, 5 peças de teatro e ainda um romance de aventuras infantis e dois ensaios para que o público mais pequeno aprendesse um pouco de história de forma lúdica. No entanto, foi na forma audaciosa como retratou a mulher portuguesa e os seus problemas familiares e sociais que se tornou um marco na literatura feminina de meados do séc. XX. Dizia João Gaspar Simões, em 1930 «Não conheço mesmo outra (escritora portuguesa) que à audácia dos temas e das ideias alie uma expressão tão enérgica e pessoal. O seu estilo respira força e solidez.»

Bibliografia Sumária (ordem cronológica)

  • Três Mulheres , parceria com Pinto Quartim Graça, Luanda, 1935.
  • África Selvagem , Lisboa, Guimarães & lda, 1935.
  • Sertanejos, nº9, Lisboa, Editorial Cosmos, 1936.
  • Singularidades de Um País Distante, nº11, Lisboa, Editorial Cosmos, 1936.
  • Ninho de Bárbaros, nº15, Lisboa,Editorial Cosmos, 1936.
  • Angola Filme, nº19, Lisboa, Editorial Cosmos,1937
  • Ida e Volta duma Caixa de Cigarros, Lisboa, Editorial O Século, 1938.
  • Viagem à Roda de África, romance de aventuras infantis, Lisboa, Editorial O Século, 1938.
  • Colónias Piscatórias em Angola, nº32, Lisboa, Cosmos, 1938.
  • Caleidoscópio Africano, nº49, Lisboa, Edições Cosmos, 1938.
  • Há dois Ladrões sem Cadastro, Lisboa, Editora Argo, 1940.
  • Roteiro do Mundo Português, Lisboa, Edições Cosmos, Lisboa, 1940.
  • Fauno Sovina, Lisboa, Livraria Portugália, 1941.
  • Memórias da Linha de Cascais, col.com Branca de Gonta Colaço, Lisboa, Parceria António Maria Pereira, 1943.
  • Os Parques Infantis, Lisboa, Associação Nacional dos Parques Infantis, 1943.
  • Ela É Apenas Mulher, Lisboa, Parceria António Maria Pereira, 1944
  • Aristocratas, Lisboa, Editorial Aviz, 1945.
  • Eu e Elas, Apontamentos de Romancista, Lisboa, Editorial Aviz, 1945.
  • A Morte Veio de Madrugada , Coimbra, Coimbra Editora Lda, 1946.
  • Casa Sem Pão , Lisboa, Empresa Contemporânea de Edições, 1947.
  • Há-de Haver uma Lei , Lisboa, Edição da Autora, 1949.
  • O Mal Não Está em Nós, Porto, Livraria Simões Lopes, 1950.
  • Filosofia duma Mulher Moderna , Porto, Livraria Simões Lopes, 1950.
  • Bato às Portas da Vida , Lisboa, Edições SIT, 1951.
  • Nada lhe Será Perdoado , Lisboa, Edições SIT, 1953.
  • A Primeira Vítima do Diabo , Lisboa, Edições SIT, 1954.
  • Terras onde se fala Português , Rio de Janeiro, Ed. Casa do Estudante do Brasil, 1957.
  • Os Últimos Dias do Fascismo Português , S. Paulo, Editora Liberdade e Cultura, 1959.
  • África Sem Luz , São Paulo, Clube do Livro, 1962.
  • Brasil, Fronteira da África , São Paulo, Felman-Rêgo, 1963.
  • Herança Lusíada , Lisboa, Edições Sousa e Costa, s.d..

Peças de Teatro

  • Alfacinha, comédia em 1 acto para uma só personagem, publicada no Sol. de 12 a 26. Fev. 1949.
  • Isto que chamam amor , drama em um acto para uma só personagem.
  • Numa casa abandonada , drama em um acto para uma só personagem.
  • O poder do dinheiro , comédia em 3 actos.
  • O Leilão , drama em 3 actos.
Tópicos neste artigo:
Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.