Outros países

Relações de Cooperação entre Portugal e Outros Países

 

Cooperação Portugal - Outros Países / Cooperação em números - Outros Países

Ajuda Pública ao Desenvolvimento 2012-2016

Para além da concentração geográfica nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste, Portugal desenvolve ações de cooperação noutros países em desenvolvimento – aqui designados de ‘Outros Países’. A presente análise engloba, assim, os fluxos de APD bilateral para esse conjunto de países, que excluí os cinco PALOP, Timor-Leste e os agrupamentos regionais.

Entre 2012 e 2016, a APD portuguesa destinada a ‘Outros Países’ correspondeu, em média, a 29 M€, o que equivale a 10,7% da APD bilateral média desembolsada nesse período. Em 2016, a ajuda para este grupo de países situou-se nos 28,7 M€, confirmando a tendência crescente dos últimos 4 anos.

 

 

Ao nível da distribuição geográfica, entre 2012 e 2016, a ajuda concentrou-se sobretudo, em África (50,9%), maioritariamente devido ao peso de Marrocos. Apesar das novas prioridades políticas no sentido do alargamento a outras geografias e dessa orientação ter sido iniciada em 2016, reforçando a presença da Cooperação Portuguesa no Senegal e na Colômbia, a mesma ainda não se encontra refletida nesta distribuição média.

O continente asiático foi o destino de 34,4% da APD, em resultado da utilização de uma Linha de Crédito concessional por parte da China, da ajuda humanitária e de emergência a refugiados na Síria, e da participação das forças de segurança portuguesas em missões internacionais de manutenção da paz no Afeganistão. A América Central e do Sul receberam 13,5% da ajuda, essencialmente por via da cooperação com o Brasil, Venezuela, Cuba (setores da Educação e Cultura), e Colômbia (através do Fundo Fiduciário da UE de Apoio ao Processo de Paz). Os países em desenvolvimento na Europa beneficiaram de 1,2% da APD bilateral, sendo o Kosovo (participação portuguesa em missões de paz) e Turquia (Ensino Superior) os principais destinos.

 

 

Marrocos continua a ter a posição de destaque como principal beneficiário no conjunto ‘Outros Países’ ao receber, em termos médios, 12 M€ entre 2012 e 2016. Segue-se a China (7 M€), o Brasil (3 M€), e a Síria (1,7 M€). Os restantes países situam-se abaixo da média de 1 M€.

 

 

 

Tópicos neste artigo:
Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.