Uruguai: Quatro obras portuguesas no Festival de Dança Contemporânea

Publicado em quinta, 04 maio 2017 11:48

Vera Mantero, João dos Santos Martins e Dinis Machado participam no Festival Internacional de Dança Contemporânea do Uruguai, que decorre em Montevideu de 3 a 10 de maio de 2017 e que conta com o apoio da Embaixada de Portugal, da DgArtes e do Camões, I.P.

No âmbito das celebrações do Dia da Língua Portuguesa, “Projeto Continuado” de João dos Santos Martins inaugura o festival nos dias 3 e 4, às 20h00, no Teatro Solís. Com base na pesquisa de coreografias da história da dança, a peça fala-nos do processo de trabalho que se torna espetáculo. A partir do movimento de seis intérpretes, surgem coreografias, exercícios e partituras de dança recolhidas de Doris Humphrey, Loïe Fuller, Yvonne Rainer, Simone Forti, Martha Graham, Trisha Brown e Jane Fonda, entre outros. Os seis bailarinos experimentam, em cena, gestos que não são originalmente seus, mas dos quais se apropriam diante do público.

No dia 6 de maio, às 19h30, Dinis Machado apresenta “Paradigma” em GEN – Centro de Artes e Ciências. Na obra, o coreógrafo trabalha num folclore de bricolage para corpos de identidades vagas, criadas através de artefactos fictícios, narrações, danças, rituais e canções. “Paradigma”, segundo o próprio artista, é uma reivindicação ritual para a diferença e para a cidadania.

Encerrando o festival, no dia 10 de maio, Vera Mantero apropria-se do palco da sala Zavala Muníz do Teatro Solís, às 21h00, apresentando dois solos “O que podemos dizer de Pierre” e “Olympia”, duas obras representativas da obra da coreógrafa.

A primeira peça convoca Gilles Deleuze e Espinoza e está em sintonia com outras obras de Vera Mantero, sobrepondo multiplicidades que aparecem na filosofia e na intuição, verbal e não-verbal, racional e irracional. “Olympia” coloca em diálogo o quadro de Manet e a obra Asfixiante Cultura de Jean Dubuffet e questiona o papel comprometido da dança e da arte em geral.

Vera Mantero dinamizará ainda um workshop, intitulado “O corpo pensante”, dedicado ao uso vocal, à escrita, à respiração e à associação livre, elementos que se podem incorporar, mais tarde, em processo de improviso, mais alargados e complexos. A sessão de formação decorrerá nos dias 11 e 12 de maio, das 14h00 às 18h00, na Escola Universitária de Música.

 

 

Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.