Exposição de Litografias de Oswaldo Guayasamín no Instituto Camões

Uma exposição de 14 litografias do pintor equatoriano Oswaldo Guayasamín está patente ao público entre 17 e 29 de maio, na sede do Instituto Camões, na Av. da Liberdade, 270 (junto ao marquês de Pombal), em Lisboa. A obra de Guayasamín, identificada como expressionista, reflete a dor e a miséria que assolam grande parte da humanidade e denuncia a violência em que vive o ser humano no século XX marcado por guerras mundiais, guerras civis, genocídios, campos de concentração, ditaduras e tortura.

Oswaldo Guayasamín nasceu em Quito, capital do Equador, a 6 de julho de 1919, de pai indiano e mãe mestiça. A família vivia na pobreza, sendo Oswaldo foi o primeiro de dez filhos.

Os seus dotes artísticos despertaram cedo e em 1932, apesar da oposição de seu pai, ingressou na Escola de Belas Artes de Quito. É o tempo da "guerra dos quatro dias," uma revolta dos trabalhadores. Durante uma manifestação morre um grande amigo seu. Este acontecimento, que mais tarde inspirou a sua obra "As crianças mortas", marca sua visão das pessoas e da sociedade.

Em 1941 obteve o diploma em pintura e escultura.

Em 1942 expôs pela primeira vez num salão privado em Quito, causando um escândalo. A crítica considera que a sua pintura entra em confronto com a da exposição oficial da Escola de Belas Artes.

Em 1976 cria a Fundação Guayasamín, em Quito, à qual oferece a sua obra e as suas coleções de arte, praticando o que defendia – que a arte é património dos povos.

Morreu a 10 de março de 1999, aos 79 anos, em Baltimore nos EUA.

Guayasamín era amigo pessoal dos mais importantes intelectuais e estadistas do mundo progressista, e retratou alguns deles, como Fidel Castro, Raúl Castro, François e Danielle Mitterrand, Gabriel Garcia Márquez, Pablo Neruda, Rigoberta Menchu​​, entre outros.

Expôs em museus de todas as capitais da América e em cidades de muitos países europeus, como em Leningrado (L'Ermitage), Moscovo, Praga, Roma, Madrid, Barcelona e Varsóvia.

Realizou cerca de 180 exposições individuais, tendo produzido abundantemente pinturas, murais, esculturas e monumentos. Há murais de sua autoria em Quito (Palácios do Governo e Legislativo, Universidade Central, Conselho Provincial), Madrid (Barajas), Paris (Sede da UNESCO); São Paulo (Parlamento Latino-Americano). Entre os monumentos que produziu destacam-se "The Nation Young" (Guayaquil, Equador), "The Resistance" (Rumiñahui), em Quito.

Recebeu inúmeros prémios e condecorações oficiais no seu país e no estrangeiro referentes à sua arte, mas também relativos à sua atividade enquanto cidadão, dos quais destacamos, em 1991 a Ordem do "Condor dos Andes", a mais alta condecoração na Bolívia, em 1994 o prémio "para uma vida inteira de trabalho pela paz" da UNESCO, tendo sido nesse mesmo ano designado como embaixador itinerante pela UNICEF.

 

 

Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.